Dados não financeiros e relatório de sustentabilidade: rumo a uma nova cultura de inovação sustentável

Sustentabilidade

Dados não financeiros e relatório de sustentabilidade: rumo a uma nova cultura de inovação sustentável

Techedge | Out 07, 2020

Os números geralmente falam por si, são pouco interpretáveis: o balanço do exercício de uma empresa com base nos dados financeiros, de modo geral, é objetivo aos olhos do leitor que sabe interpretá-lo. 

Além disso, existem outros tipos de dados de caráter não financeiro que, apesar de serem menos objetivos, dizem muito a respeito do modo de ser de uma empresa. Esses dados não são encontrados nas demonstrações financeiras, mas nem por isso são menos importantes para a percepção e a imagem que a empresa oferece a todos os agentes que, por várias razões, interagem com ela. Esses agentes são as assim chamadas “partes interessadas”: os cidadãos, os empregados, aqueles que têm relações econômicas com a empresa (ou com o ente/associação conforme apropriado), os fornecedores, as autoridades locais, os jornalistas...  

Identificar esses dados não financeiros e inseri-los em um contexto mensurável para compartilhá-los com as partes interessadas é muito importante. É exatamente esse o objetivo do Relatório de Sustentabilidade, também chamado Demonstração Não Financeira (DNF).

O Relatório de Sustentabilidade: síntese regulatória

A diretiva 2014/95/UE de 22 de outubro de 2014, que altera a diretiva 2013/34/UE, torna obrigatória a redação do Relatório de Sustentabilidade por parte de algumas empresas e de grupos de grande porte a partir de 2017.  

Tal diretiva estabeleceu a obrigatoriedade das empresas de grande porte - qualificadas como “entidades de interesse público” - fornecerem uma declaração de caráter não financeiro contendo informações capazes de promover o grau de percepção positiva e de aprovação da empresa, dar visibilidade da atividade exercida aos diversos agentes envolvidos, qualquer que seja sua participação, e conduzi-la de forma clara e inequívoca a uma estratégia de negócios sustentável e responsável. 

Portanto, o Relatório de Sustentabilidade contém informações relativas as emissões de CO2 da empresa e o compromisso de reduzi-las, a utilização de matérias-primas e de combustível, as ações tomadas em favor do território e da comunidade, as diretrizes sobre saúde e segurança dos próprios funcionários, a não discriminação do indivíduo em base ao sexo, religião ou credo político, e assim por diante. 

Tudo isso em uma perspectiva de desenvolvimento sustentável baseado na responsabilidade social da empresa e, portanto, das nações. Uma política de recuperação saudável, baseada em um crescimento coerente e moralmente correto.

Como uma empresa pode começar a ser sustentável?

O caminho para a sustentabilidade passa através da inovação: é necessário focar naquelas atividades que levam à criação de novos produtos e serviços, novas funcionalidades ou ainda novos processos de produção. A isso deve-se juntar a abordagem; é necessário romper os esquemas, isto é, iniciar a questionar-se continuamente:

  • Qual o impacto da utilização do meu produto? 
  • Meu produto faz um uso correto e razoável dos recursos naturais? 
  • Ele discrimina ou não os usuários? 
  • Ele pode ser reproduzido com o menor uso de recursos possíveis e ainda responder sempre positivamente às mesmas perguntas?

Inovando de maneira sustentável, os benefícios não tardam a aparecer. Os riscos operativos são reduzidos, cresce a reputação da marca e se captura a atenção de um número sempre crescente de consumidores que adotam e creem firmemente na filosofia do uso correto dos recursos do planeta, sem que isso afete a possibilidade que as futuras gerações possam fazer o mesmo. Tudo na perspectiva mais relevante que é produzir preservando o ecossistema inteiro e suas comunidades. 

Depois que a mentalidade da empresa muda com a inovação sustentável, a comunicação interna e externa se torna fundamental para poder se beneficiar de todas as vantagens em termos de reputação, como descrito anteriormente (vantagens que, já provadas por diversos estudos, têm impactos concretos também no desempenho financeiro). E assim reafirma-se a importância do Relatório de Sustentabilidade como documento vetor de todas essas informações, amplificando o valor das mesmas não apenas para as empresas obrigadas por lei a produzi-lo.

 

A sustentabilidade é uma mudança cultural 

A sustentabilidade não pode ser algo ocasional. Inovar e romper com os esquemas visando o aproveitamento sustentável dos recursos são as bases do desenvolvimento industrial, econômico e político-social: deve gerar cultura e estar inserida na mentalidade dos gestores de hoje e do futuro. 

Nós da Techedge acreditamos firmemente nisso e, por esse motivo, elaboramos uma solução digital para a produção do Relatório de Sustentabilidade.

Com o ESGeo estamos ajudando muitas empresas a definir e elaborar seus planos para o desenvolvimento sustentável: é uma plataforma intuitiva dedicada à sustentabilidade, capaz de gerenciar a coleta de dados não financeiros em um processo estruturado e rastreável. A plataforma é capaz de cobrir de ponta a ponta o processo de sustentabilidade empresarial, dos investimentos e da cadeia de abastecimento garantindo relatórios avançados conectados dinamicamente ao processo de coleta de dados.

ESGeo é uma plataforma digital que permite produzir informação ESG com o mesmo rigor e transparência até hoje reservados apenas para a comunicação econômico-financeira.

ESGeo é o nosso compromisso para um futuro sustentável: devemos nos sentir no dever de deixar para as gerações futuras pelo menos as mesmas possibilidades que temos hoje.

Inscreva-se!