Gestão‌ ‌de‌ ‌Relacionamento‌ ‌com‌ ‌Fornecedores‌

Integração de Fornecedores

,

NRF

Gestão‌ ‌de‌ ‌Relacionamento‌ ‌com‌ ‌Fornecedores‌

Techedge | Nov 25, 2020

 

A gestão de fornecedores é o processo que envolve escolher, estabelecer parceria e avaliar constantemente provedores de bens e serviços, sendo fundamental para que a organização garanta o recebimento de produtos e serviços previsíveis e de alta qualidade.

Logo, a gestão de relacionamento com fornecedores é a abordagem sistemática para desenvolver e gerenciar essas parcerias. Seu objetivo é encorajar a criação de valor e o crescimento mútuo ancorado em confiança, comunicação aberta e mentalidade ganha-ganha. 

Empresas que contam com provedores de tecnologia, por exemplo, devem ter uma gestão de relacionamento com fornecedores. Segundo o Gartner, isso é importante para garantir a otimização de custos, mitigar riscos e melhorar continuamente processos operacionais.

Ao longo deste artigo, iremos abordar dificuldades e obstáculos inerentes à gestão de relacionamento com fornecedores, como também as vantagens que sua empresa obtém ao executá-la com maestria.

 

Acompanhe!

 

Os desafios e a importância da gestão de relacionamento com fornecedores

 

Em 2019, a Deloitte realizou um estudo global no qual pesquisou, entre outros tópicos, a gestão de fornecedores. A consultoria descobriu que 55% dos entrevistados empregam essa estratégia buscando redução dos riscos previsíveis da cadeia de suprimentos

Mas, a gestão de relacionamento com fornecedores vai muito além disso. E requer um gerenciamento formal e consistente. Do contrário, as organizações podem se deparar com a não conformidade e com comportamentos inadequados de seus fornecedores. 

Não ter uma boa estratégia de relacionamento com fornecedores leva a problemas como o não recebimento de materiais e serviços importantes a tempo ou com qualidade aquém da desejada, assim como passa por violação de leis trabalhistas, de segurança e regulamentação.

Em suma, o ritmo colaborativo exigido por um mercado cada vez mais dinâmico e globalizado exige uma gestão de fornecedores planejada. E isso requer relacionamentos onde as parcerias sejam produtivas e guiada por uma ética clara para todas as partes.

 

Os desafios da gestão de relacionamento com fornecedores

 

Realizar uma boa gestão de relacionamento com fornecedores não é tarefa simples, existem alguns desafios a serem superados na maioria das empresas. Um estudo global da PwC identificou os três mais comuns:

 

  • Excesso de ênfase na redução de custos: quando a empresa só quer pagar menos e ter prazo maior. Em médio e longo prazo, a companhia pode ficar a mercê de fornecedores que, por ceder tanto, não conseguem entregar uma boa qualidade.
  • Falta de competências de relacionamento: quando se tem foco total nas compras, no qual não se trabalha influência, gerenciamento de mudanças e mediação de conflitos. Isso gera desgastes entre compradores e clientes, torna as negociações hostis, gera insatisfações para ambas as partes e dificulta relacionamentos de longo prazo.
  • Alinhamento insuficiente entre negócio, compras e fornecedores: quando falta esforço para uma interação real, que vá além do discurso. Esse desafio geralmente é resultado dos dois anteriores, e impossibilita ganhos reais para as partes.  

 

Portanto, falamos de algo que requer uma estratégia, ou seja, um curso de ações com objetivos claros e de mensuração factível.

 

Os benefícios que a empresa obtém ao estabelecer essa gestão

 

Entremos agora no detalhamento das vantagens de uma gestão de fornecedores onde os relacionamentos são essenciais. Aqui estão as principais:

 

  • Ganhos de eficiência e competitividade

Os provedores compreendem melhor o negócio e atendem suas necessidades de forma mais eficaz. Os problemas têm resolução em tempo hábil, pois há diálogo aberto e respeitoso. 

 

  • Minimização da volatilidade dos preços

Uma relação ganha-ganha evita que os fornecedores simplesmente repassem aumentos. Eles passam a considerar o histórico de relacionamento, propondo alternativas e cedendo para evitar desconfortos e quedas nas compras. 

 

  • Consolidação da cadeia de abastecimento

Um pool de fornecedores fiel e de fácil negociação é tão importante quanto a carteira de clientes. Contar com parcerias consolidadas gera menos stress e evita a necessidade de compras de última hora com provedores desconhecidos.

 

  • Melhoria contínua das operações

Com rotinas e parcerias estabelecidas, há pouca flutuação de atividades e processos. E isso se reflete na produtividade da operação, que está sujeita a menos surpresas no cotidiano. 

 

  • Facilitação da inovação aberta

Parcerias ancoradas na colaboratividade abrem caminhos para sugestões e críticas construtivas. E isso faz com que o fluxo de ideias vindas de fora seja contínuo, favorecendo iniciativas inovadoras

 

Os principais KPIs a serem analisados na gestão de relacionamento com fornecedores

finance

Possuir uma gestão com base em dados é essencial, inclusive, na otimização do relacionamento com fornecedores.

 

Para gerenciar com sucesso os relacionamentos com fornecedores apropriados, é necessário olhar para eles a partir de uma postura prática. Dividindo o relacionamento em etapas e, em seguida, a função do gestor é medir o sucesso com base na entrega de resultados de negócios.

Logo, é muito importante ter indicadores-chave de desempenho (Key Performance Indicators — KPIs) a serem acompanhados e analisados. 

Para tal, tomemos como exemplo esses KPIs mais recomendados na gestão de fornecedores de tecnologia,  por exemplo: 

 

  • Tempo médio de atendimento: taxa que mede o tempo entre a abertura de um chamado e o atendimento pelo time de suporte do provedor. Quanto menor ela for, mais bem o fornecedor deve ser avaliado.
  • Nível das entregas: a partir de um indicador máximo de avaliação das entregas, observa-se a pontuação média do fornecedor. Isso pode ser feito mensal, trimestral, semestral ou anualmente.
  • Evolução do preço: percentual dos aumentos, ou das reduções de valor, ao longo de um período determinado. 
  • Índice de bugs: corresponde ao volume de falhas ou erros técnicos dos produtos ou serviços adquiridos. Essa taxa é medida tendo como parâmetro a definição de um índice aceitável.
  • Lead time: período entre o início de uma atividade e o seu término. Normalmente este KPI é definido no contrato e/ou no acordo de nível de serviços (SLA) assinado com o fornecedor. 
  • Saving: economia gerada nas negociações, medida ao longo de um ciclo de relacionamento ou em cada transação realizada.  

 

É interessante que os fornecedores tenham conhecimento da avaliação dos KPIs. Assim, cria-se uma cultura de feedback constante, visando a melhoria contínua do relacionamento. 

 

Como o NRF pode te ajudar com a gestão de relacionamento com fornecedores

 

A gestão de fornecedores, como você já viu, requer cuidados específicos com os relacionamentos. Para tal, é fundamental estabelecer e acompanhar indicadores. Os planos de ação requerem análise e decisões em tempo hábil, sempre visando mediar conflitos e minimizar os riscos.

Assim sendo, é imprescindível contar com ferramentas tecnológicas para facilitar essa estratégia. É nesse momento que entra o Nimbl Ripple Framework — NRF®, solução da Techedge para digitalização prática e fácil de negócios.

O NRF® é aplicado para acelerar a digitalização e automação dos processos de negócios. Com essa aplicação, é possível potencializar a agilidade da gestão de relacionamento com fornecedores. 

A digitalização e a automação se tornam mais simples de implementar. O sistema também facilita a escalabilidade da estratégia; ou seja, favorece a evolução da transformação digital em diversas frentes. 

Além disso, o NRF® facilita o cotidiano dos profissionais envolvidos nas relações com fornecedores. Ele torna tudo mais dinâmico e orientado a dados, o que auxilia na hora de avaliar e manter relacionamentos valorosos para todas as partes envolvidas.    

 

Para saber mais, FALE CONOSCO e veja como o NRF® pode alavancar essa estratégia em sua empresa!

New call-to-action

Inscreva-se!