EDGE COMPUTING: SER OU NÃO SER? UMA INTRODUÇÃO AO SAP LEONARDO

SAP

,

SAP Leonardo

EDGE COMPUTING: SER OU NÃO SER? UMA INTRODUÇÃO AO SAP LEONARDO

Gianni Pelizzo | dez 10, 2019

Há cerca de uma semana, estive no SAP Field Kick Off Meeting (SAP FKOM) com centenas de outros parceiros SAP em Barcelona, onde o SAP Leonardo foi apresentado pela primeira vez. Minha primeira impressão? Este é o segundo produto SAP a receber um nome italiano, sendo o primeiro o SAP Fiori - uma pequena vitória para o meu orgulho italiano.

Mas, resumindo, o que é o SAP Leonardo? Ou melhor ... No que ele se tornará? Para responder a estas perguntas, você deve primeiro entender o impacto que a IoT está tendo nos aplicativos corporativos.

O impacto da IoT nos aplicativos corporativos

Antes da introdução da Internet of Things, um aplicativo corporativo estava intimamente relacionado a: 

  • tipo de negócio para o qual era utilizada (logística?manufatura?etc...)
  • tecnologia adotada (cloud?onpremisse?híbrida?)
  • indústria a qual se dirigiu

Agora com a introdução da IoT, uma quarta dimensão está em jogo. Uma que é formada por pessoas, objetos e mercados, que estará conectada graças a precisão da tecnologia IoT.

O SAP Leonardo irá se tornar a primeira plataforma que conecta esses objetos para obter uma vantagem comercial. Por esse motivo, a primeira macro-classificação que você pode encontrar está no mala de soluções, em relação às 6 "coisas" que podem ser interconectadas: produtos, ativos, frotas, infraestruturas, mercados e pessoas. 

SAP Leonardo for Edge Computing

Como o SAP Leonardo irá funcionar?

Este sistema funcionará como ponte que interligará as 6 "coisas" identificadas (numeradas acima). Assim, dependendo da área em que vai colocar a sua iniciativa IoT, poderá encontrar uma ou mais aplicações dentro do programa Leonardo para apoiar as introduções (ou interconexões) destas tecnologias. Considere, por exemplo, um ativo onde as soluções de ativos conectados já são uma realidade e usadas para facilitar a manutenção preditiva. 

Do ponto de vista tecnológico, esta nova plataforma pode ser considerada um sistema com três níveis:

  • as aplicações de IoT (revisadas anteriormente),
  • a fundação IoT (onde encontramos o gerenciamento de dados e aplicativos de big data, serviços de integração, bibliotecas de autoaprendizagem e inteligência artificial. Essencialmente, o componente reside na Nuvem (e portanto SAP HANA Cloud Platform),
  • o componente de edge computing no qual será possível delegar escolhas localmente (através de sensores e gateway de comunicação) e permitirá um primeiro nível de recolha e transmissão de dados (o processo de análise em tempo real de dados recolhidos para determinar quais são verdadeiramente importantes ou não).

Quais são as principais alterações que esta nova plataforma introduz?

As principais mudanças, na minha opinião, são: a introdução do edge computing e a criação de um espaço virtualmente ilimitado no mundo das aplicações IoT na Nuvem. 

Edge Computing

Em todas as aplicações de manufatura conectada, ou geralmente as que utilizam IoT, é cada vez mais importante delegar decisões que devem ser tomadas em tempo real aos sistemas locais (seja mini DB ou sistemas de consolidação de manufatura como o SAP MII). Com essa capacidade, não faz sentido tomar essas decisões para a Nuvem ou para os sistemas de ERP.

Na verdade, o edge computing cobre uma lacuna que sempre foi muito complicada: construir aplicações híbridas entre edge e cloud computing. 

Espaço sem limites de aplicativos IoT na Nuvem

A segunda novidade? Aplicações como o ativo conectado que permite construir uma espécie de rede social dos ativos produtivos de todo um setor. Esta dinâmica está destinada a revolucionar a relação entre clientes e fornecedores de máquinas e instalações.

Leonardo fornecerá, primeiro à SAP - e em breve a todo ecossistema SAP - os elementos básicos para a construção de aplicativos IoT.

O que está reservado para o SAP Leonardo nos próximos meses?

Dadas as informações disponíveis é difícil dizer. Mas eu me atreveria a fazer as seguintes hipóteses:

  • A disponibilidade do componente Plat.One (recentemente adquirido pela SAP) dentro da Hana Cloud Platform, especialmente como ponte entre a computação em nuvem e Edge.
  • Novos aplicativos IoT, de Ativos a Produtos relacionados.
  • A disponibilidade de dashboards analíticos e algoritmos preditivos que são cada vez mais fáceis de utilizar (por exemplo, algoritmos mais sofisticados para a análise de vibrações).
  • Conectividade. Até hoje, a SAP confiou o tema da conectividade à operadora telefônica ou aos produtores de sistemas de radiofreqüência. Vamos ver se haverá alguma aquisição pela SAP ou se a SAP criará sua própria solução de conectividade industrial.

    Interessado em saber mais?

    Veja os nossos serviços relacionados a Indústria 4.0 que oferecem cenários mais inteligentes para produção e gestão de ativos na sua empresa. 

    CLIQUE AQUI

     

 

 

 

Inscreva-se!