O digital no comércio exterior: Simplificando processos

comex

,

Indústria 4.0

,

Transformação Digital

O digital no comércio exterior: Simplificando processos

Techedge | Out 16, 2020

 

Os processos do comércio exterior estão cada vez mais digitais. Isso é muito interessante para empresas do segmento, tendo em vista que, com esses recursos, é possível reduzir a burocracia e facilitar os processos de importação e exportação. Logo, as empresas tendem a ter mais lucros.

Além disso, as novas tecnologias, como softwares de gestão, podem ajudar as empresas do segmento a cumprir as regras governamentais e aduaneiras que regem esse setor. Dessa maneira, as organizações conseguem ficar sempre dentro da lei, evitando as multas e penalidades.

Neste artigo, falaremos sobre como a transformação digital ajuda o comex  a simplificar os processos. Continue a leitura e confira várias informações relevantes acerca do tema!

Transformação digital no comércio exterior

A transformação digital no comércio exterior está relacionada com a inserção da tecnologia nessas atividades, por meio de ERPs, soluções de computação em nuvem, recursos para o monitoramento de cargas, etc. Isso dá origem ao chamado comex 4.0, que acompanha a evolução da indústria 4.0.

Vale lembrar que a pandemia da Covid-19 acelerou essas transformações e trouxe lições valiosas para a área de comércio exterior. 

Em entrevista ao portal Intermodal Digital, por exemplo, o especialista em Direito Internacional e ex-membro da Câmara Britânica de Comércio, Arthur Achiles, ao ser questionado sobre as lições que foram aprendidas durante a pandemia pelo setor, declarou: “A grande lição que tiramos é a ‘reinvenção’, ou seja, conseguir agir de forma disruptiva”.

Podemos concluir, portanto, que é necessário recriar padrões e inserir a tecnologia para ficar menos dependente de outros recursos. A transformação digital no comex, portanto, é evidente e inevitável de hoje para o futuro.

Pilares da transformação digital no comex

Uma pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostra que o investimento em recursos tecnológicos já chega a 8% das receitas dessas empresas. Isso mostra como as companhias já estão se movimentando nesse segmento.

No caso do comex, a transformação digital tem dois pilares básicos:

  • Criatividade: é preciso ser criativo para otimizar as atividades, utilizando os recursos tecnológicos, com a finalidade de conquistar mais resultados positivos;
  • Inovação: investir em TI é necessário para que se possa inovar e contratar as melhores ferramentas, bem como adaptá-las.

 

Benefícios dessa transformação

O uso do digital no comércio exterior é, além de muito benéfico, necessário, tendo em vista as previsões futuras no mercado.

 

De acordo com um estudo feito pela Live University, divulgada no portal Terra, 77% dos profissionais de comércio exterior acreditam que a inteligência artificial e o machine learning são as tecnologias que trazem mais benefícios para o comex 4.0.

Entre as principais vantagens obtidas com o investimento estão a capacitação e a capitalização de valor dos dados. Os recursos de inteligência artificial podem coletar informações e gerar relatórios que ajudam nas tomadas de decisão, como escolher as melhores rotas.

A realocação de capital também acontece, justamente por conta das análises de dados. Além disso, os ERPs possibilitam que se tenha uma visão ampla de todos os processos. Assim, os gargalos podem ser identificados e previamente solucionados.

Tendências tecnológicas no comércio exterior

Ainda falando sobre a pesquisa desenvolvida pela Live University, também se chegou à conclusão que 36% dos empresários da área de comex acreditam que a internet das coisas é uma tendência para o setor.

Os pesquisadores acreditam que novas funções devem surgir nesse sentido, tendo em vista que os objetos conectados, o que também inclui carros, aviões, navios e outros meios de transporte, poderão ser monitorados com ainda mais precisão.

Logo, fica mais fácil de identificar perdas e roubos de cargas, calcular prazos de entrega para os clientes, etc.

O cloud computing também tem ganhado força! Com as informações acerca das importações e exportações em nuvem, é possível que os responsáveis pelos setores logísticos possam desempenhar as suas funções em qualquer local. 

De tal maneira, pode-se começar a desenvolver a chamada cultura do anywhere office, que prega que os trabalhadores podem exercer as suas atividades não apenas na sede da empresa, mas também em casa, em coworkings ou em qualquer local do mundo.

Essa modalidade se tornou muito necessária, por exemplo, durante a pandemia, reafirma Arthur Correa. Isso ocorre com o intuito de tentar minimizar os efeitos da disseminação do novo coronavírus, por esse viés, boa parte dos trabalhadores do setor logístico passaram a executar as suas funções em casa.

Ferramentas para o comex 4.0

Para que a transformação digital se efetive no comércio internacional, dando origem ao comex 4.0, é necessário que alguns investimentos em ferramentas sejam feitos pelas organizações.

O levantamento feito pela Line University aponta algumas dessas ferramentas:

 

Ao investir nesse tipo de recurso, é importante contar com uma empresa parceira capacitada e que tenha soluções específicas para o setor de comércio exterior. 

Além disso, também é relevante pensar nas questões que envolvem a segurança da informação, por isso, confira o conteúdo “Como a análise preditiva pode ajudar durante a crise” e entenda mais sobre análise e segurança de dados.

A Techedge tem soluções eficientes nessa área! Acesse o nosso site conheça os nossos serviços para o comércio exterior!

Inscreva-se!